terça-feira, 13 de janeiro de 2015

REPLANTIO- QUAL A HORA CERTA E O PASSO A PASSO.

Cattleya portia baronesa

    *Uma dica antes de falar sobre replante... É algo que também já aconteceu comigo,  e com muitos que já conversei... Quando você chega em casa com novas plantas nos dias que se passam ou até mesmo no próprio dia dá uma vontade de  pegar tudo e joga em cima de uma mesa e sai replantando...Não é recomendável pelo menos na primeira semana, porque as vezes a planta está em dormência , as vezes acabou de ser replantada para ser vendida, as vezes vai florir...Antes de decidir replantar, você precisa observar a planta muito bem, a planta toda, o vaso, o substrato e as raizes!!! enfim tudo mesmo!!!, por isso quando for comprar uma nova orquídea tenha em mente o que você quer da planta...se é comprar plantas para replantar do seu jeito e daí cultivar ou se é comprar plantas pelas flores(adultas) ou até mesmo aquelas "mudinhas" mais baratas e bem mais novas que vão florir dali 3, 4 anos...precisa definir isso antes e então na hora em que estiver escolhendo para comprar separe as plantas que mais lhe interessam...os orquidários tem muitas variedades e as exposições também... mas os orquidários tem mais espaço e mais cuidados e um clima perfeito para vegetar... e em nossa casa não costuma ser igual, as vezes esse lugar ainda nem existe e você vai ter que cria-lo... não dá para sair mexendo na planta logo de cara ainda mais porque ela está chegando em um lugar novo(clima novo) e antes de ser incomodada ela precisa se adaptar a luz do novo local, a umidade ambiente. É necessário que a hora que você for mexer com ela que esta lá quietinha seja a hora de replantar mesmo...caso contrario ela pode ter problemas para se adaptar ao novo vaso e ao novo substrato!!!!pode até morrer!!!!  quando for replantar é necessário que a planta esteja na fase de crescimento, depois da floração e  da dormência, é a melhor hora para o replante, porque alem de brotar a planta está emitindo raizes novas , o que acelera a adaptação dela enraizando e ficando fixa no novo vaso mais depressa...conseguindo brotar com mais vigor!!!

 Na fase de crescimento os novos brotos nascem no “pé” do bulbo e ficam visíveis à medida que crescem por baixo da palha que protege o bulbo. Este lado por onde a planta esta brotando chamamos de frente da planta. Uma planta pode ter uma ou varias frentes. A parte de traz, chamamos de traseira.  Na hora do replante a traseira é encostada na borda do vaso deixando a frente ou as frentes com espaço livre para crescimento dentro do vaso.
             

                               


 Essencialmente, o ciclo de desenvolvimento fisiológico vegetal está baseado em: crescimento, florescimento, frutificação e dormência. Caso o replante aconteça nas outras fases a planta será prejudicada podendo abortar as flores e até ocasionar a morte da planta.  *A fase de dormência de uma orquídea pode durar semanas e até meses, e em algumas espécies é tão rápido que nem se percebe.*(as fotos seguem a sequência do ciclo das orquideas, as fotos são de mais de um tipo de planta:
  1. foto brotação (cattleya percivaliana)
  2. foto floração (botões de um catasetum)
  3. foto flor (cattleya warnerii)
  4. foto fruto 
  5. foto bulbo de catasetum em dormência :







        dicas
  • Orquídeas compradas recentemente precisam se adaptar ao local novo antes de replantar, por isso espere ela se adaptar e depois replante. (Para que essa dica funcione para você é necessário usar o bom senso e avaliar caso a caso. Se o substrato do vaso da planta ainda está legal e tem espaço para crescer no vaso, você pode esperar um pouco mais e depois replantar, mas se estiver ruim e for comprometer a brotação o replante deve ser feito)
  • Quando você comprar plantas floridas você vai precisar esperar o fim da floração primeiro...para depois no inicio da brotação replantar!
  • Se a compra for de planta nova, sem flor, prefira escolher  as plantas que estão fora da dormência, isto é, que tem raízes e brotos crescendo, pois se você precisar replantar vai conseguir acompanhar o crescimento da planta. (isso se descobre observando)
  • a avaliação do substrato é feita visualmente e também sentindo o cheiro para descobrir o grau de deterioração dos componentes, quanto mais cheiro, mais acido e deteriorado ele está, indicando a hora de replantar também.
  Tipos de vaso:
 Na escolha do vaso é necessário avaliar o local, onde vão ficar as plantas, o substrato usado e a rega das plantas, pois o tempo de secagem e o nível de umidade de cada vaso são diferentes e indicados para determinadas plantas. Isso significa que se a escolha do vaso não for compatível com a necessidade da planta fatalmente ela vai vegetar com dificuldade podendo chegar até a morrer.

Cachepô de madeira:  usado para plantas que precisam de mais aeração e iluminação nas raízes, pode ser usado para monopodiais e simpodiais. Indicados para todo tipo de planta epífita( que enraíza em madeira). As vandáceas são comumente cultivadas neste recipiente. Além disso, o cachepô pode ser confeccionado em casa com restos de madeira e arame.

        Vaso de cerâmica com furos: usado para o cultivo de espécies nativas pois mantem a planta mais seca e ventilada proporcionando condições próximas a natural.(mesmo os orquidários profissionais cultivam espécies em vaso de cerâmica) Quanto mais baixo o vaso menos umidade  ele mantem. Por ser de cerâmica natural o vaso seca muito rápido necessitando mais regas.


Vasos plásticos: Os de cor preta são empregados em larga escala por produtores de orquídeas porque são leves e baratos além de manter mais umidade por mais tempo. Quando usados em coleções domésticas é imprescindível redobrar a atenção com o excesso de umidade. Neste caso o       substrato ideal é o que seca mais rápido.
Os de plástico transparentes foram criados especialmente para orquídeas que necessitam de muita luz, mas com umidade alta 
 

                                   Eis aqui algumas regras úteis de replantio:

1.Retire a planta do vaso antigo mergulhando-o num balde, depois de alguns minutos, segure a planta e tente puxa-la fazendo movimentos para os lados sempre com delicadeza para que se quebre o mínimo de raízes. Em plantas debilitadas que estão com raízes podres é mais fácil retirar do vaso antigo, pois não oferece resistência. Após soltar a planta lave-a debaixo da torneira retirando as partes secas e soltas, além de substrato antigo que estiver entre as raízes. Depois com tesoura esterilizada corte raízes mortas para que não apodreça no novo vaso.

   

 2.Deixe o exemplar de molho dentro de um balde com agua e acrescente enraizador(comprado em casa de lavoura, agropecuárias e também em exposições, orquidários e também Internet) na medida indicada pelo fabricante. Deixe-a mergulhada durante 20 minutos em média para que a planta possa absorver os nutrientes e ter mais força para o enraizamento no novo vaso.


3. Coloque uma camada de pedra, isopor ou similar (que não absorva agua) no fundo do vaso (2 a 3 dedos) para permitir a rápida drenagem do excesso de água (em hipótese nenhuma coloque material feito com adição de cimento, pois o cimento é tóxico para as plantas).



          
4. Coloque um pouco da mistura do substrato. Sempre que misturar mais de um tipo de substrato, escolher um que absorva agua e outro que não absorva para manter a aeração das raízes. ex: casca de pinus + carvão vegetal+ pedrisco lavado.  

5. Coloque a planta dentro do vaso e aos poucos segurando-a com uma das mãos(fig.1 esquerda), vá completando com mais do substrato até a altura do rizoma sem enterra-lo.  *Lembre-se :Na hora do replante a traseira é encostada na borda do vaso deixando a frente ou as frentes com espaço livre para crescimento dentro do vaso(de 2 a 3 dedos de distancia para chegar a outra borda do vaso)O tamanho do vaso é muito importante para o sucesso do replantio, quanto maior o vaso mais chance de perder a planta por excesso de umidade.



                                                            
6. Comprimindo bem o substrato para firmar a planta durante esse procedimento, a fim de que, com o vento ou um jato d´água, ela não balance, pois as pontas das raízes irão roçar no substrato, secar e morrer.  Se necessário, coloque pedriscos e um tutor para melhor sustentação, depois amarre com arame encapado o bulbo da planta ao tutor.

                                
 7. Há orquídeas que dificilmente se adaptam dentro de vasos. Nesse caso, o ideal é plantar em tronco de árvore ou casca de peroba, protegendo as raízes com um pouco de musgo ou chips de coco ou similar que mantenha um pouco de umidade até a sua adaptação. Você pode utilizar um vaso cerâmico sem substrato ou um cachepô de madeira, apenas para deixar o pedaço de tronco ou a casca de madeira dentro. Pode ainda furar um dos lados da madeira e amarrar um arame para pendurar o tronquinho. Na escolha da madeira a ser usada tenha muito cuidado com aquelas que possuem excesso de tanino, pois ele queima as raízes da planta. A dica é usar madeira de frutíferas, café, sansão do campo, peroba rosa, nó de pinho entre outras. Caso opte por plantar em tutor vivo (arvores do quintal ou do sitio, etc.) é necessário utilizar amarrilho e um pouco de musgo (para reter um pouco de umidade).  O amarrilho pode ser barbante, meia calça usada, etc. tem que ser de material que se deteriore com o tempo


   
 

 8. Orquídeas monopodiais (que crescem na vertical), como Vandas, Ascocendas, Rhynchostylis, Ascocentrum, devem ser plantadas no centro do vaso ou serem colocadas em cesto sem nenhum substrato.(na foto foi usado um vaso tranparente para melhorar a umidade das raizes e para que a luz pudesse entrar e iluminar as raizes como se estivesse sem vaso nenhum, mas mesmo assim ela emite raizes aéreas.) em locais com otima umidade ambiente essa opção não é necessária podendo deixar sem vaso nenhum)  


                     





9. As plantas da espécie phalaenopsis também são monopodiais também, mas preferem vasos de plástico transparente com substrato, pois suas raízes ajudam na fotossíntese, e o substrato ajuda na umidade.  Adoram locais iluminados, mas nunca sol direto, pois não possuem pseudobulbo e queimam as folhas com facilidade. Debaixo de coberturas de telhas na parte externa da casa(repare a segunda foto da flor e as outras phalaenopsis penduradas debaixo da cobertura externa fora do orquidário) é um ótimo local, porque o sol bate no chão e o calor da telha não afeta tanto a planta desde que não falte umidade no vaso.





10. Após cerca de dois meses em média é possível ver as primeiras raízes crescendo, e isso é a indicação do sucesso no replantio e a garantia de que a planta vai florir novamente.( foto: laelia purpurata) 


Enviar um comentário