terça-feira, 17 de março de 2015

CATTLEYA INTERMEDIA- NATIVA DO BRASIL-



Cattleya intermedia em habitat de restinga no litoral do
 Rio de Janeiro a sol pleno 

Cattleya intermedia orlata marginata coerulea
A Cattleya intermédia é uma espécie brasileira e foi classificada em 1828, pelo capitão Graham, do royal packet service, depois que plantas coletadas aqui no Brasil chegaram a Inglaterra. Recebeu esse nome pois o tamanho de suas flores tem um tamanho intermediário entre as espécies de Cattleya. É uma espécie brasileira por excelência, pois sua ocorrência vai desde o litoral da região sul até a pequena faixa de mata atlântica em São Paulo e no Rio de Janeiro.
É encontrada vegetando em locais umidos, por toda as regiões litorâneas do Rio Grande do Sul ao Rio de Janeiro, menos no estado do paraná.
Cattleya intermédia amethystina

No estado do Rio Grande do Sul esta espécie cresce principalmente fixada em árvores corticeira, em banhados (pântanos cobertos de vegetação rasteira)  e ao longo da Lagoa dos Patos, até a reserva ecológica do Banhado do Taim, distante um pouco mais de cem quilômetros da fronteira com o Uruguai. Ocorre também na Região dos Lagos no Rio de Janeiro, em figueiras, no chão arenoso, à beira de praias e lagoas, em sol pleno mas com muita umidade em baixo, também na fenda de rochas graníticas cheias de matéria orgânica e em butiazeiros.
Cattleya intermedia na vegetação de restinga, sobre a areia
Na parte vegetal a espécie caracteriza-se por pseudobulbos cilindricos, ou levemente achatado, de 0,5 a 2,0  cm de espessura. Pertence ao grupo das Cattleyas bifoliadas e tem o seu enraizamento antes da floração o que faz dela uma planta que emite muitas flores , pois seu novo pseudobulbo se torna independente da parte traseira podendo suportar mais flores.
Cattleya intermedia coerulea flamea
O replantio é feito sempre quando ela começa a nova brotação pois logo em seguida já enraiza no novo vaso.  A espécie Cattleya intermedia  se parece muito na parte vegetal com outras plantas do genero, como a cattleya loddigesii e harrisoniana, sendo diferenciada apenas no enraizamento, cores e tonalidades da flor e no perfume característico de cada espécie.
Cattleya intermedia marginata
O perfume da Cattleya intermedia apresenta uma fragancia discreta e adocicada, tipica da espécie. Suas flores variam de 6cm a 13cm de tamanho. As cores de suas petalas, sepalas e labelos, vão do branco azulado ao vermelho purpura sem esquecer das nuances de cores.variedade de formas e pelorias tornam a Cattleya intermedia uma planta única apreciada por muitos colecionadores no país. Existem exposições onde se fazem premiações exclusivas para a espécie. Uma oportunidade de ver tantas variedades das flores de uma só espécie juntas.
São muitas variedades e são divididas em três categorias:


Cattleya intermedia trilabelo 
flamea bordeaux-ORQ. Olimpia
  • Quanto à forma:-Pelórica; -aquinii; -flâmea; -bergeriana;
  •  Quanto ao colorido das flores:-Tipo;-bordô;-coerulea;-fresina;-lilasina;-roxo-bispo;-semi-alba;-vinicolor;-alba;-concolor;-Rubra;-sangüínea;
  • E pela forma do colorido das flores:-albescens;-punctata;-maculata;-orlata;-marginata;-multiforme;-oculata;-pseudo-tipo;-striata;-venosa;



Cattleya Di pozzi tiziano
C. intermedia x C. pão de açucar
O porte da Cattleya intermedia sofre algumas alterações conforme o habitat. As plantas que estão no litoral, junto à vegetação rasteira das praias, onde há umidade constante e também muito calor e luz intensa,  tem pseudobulbos que atingem quase 50 cm de altura apresentando folhas duplas e muitas vezes triplas, de até 20 cm de comprimento e haste floral que sai da espata carregando em média de nove a dez flores por haste.
Cattleya Di pozzi tiziano
C. intermedia x C. pão de açucar
Já no interior ou em locais com menos umidade e mais longe do litoral, os bulbos chegam a 30 cm de altura, menores e carregam de três a cinco flores apenas.
As flores da Cattleya intermedia possuem ótima textura, o que dá boa durabilidade a floração, que se mantem por cerca de um mês.
É uma das Cattleyas mais apreciadas e cultivadas no Brasil. Além de ser nativa do Sul do País, apresenta uma grande variedade de formas e cores, sendo há décadas alvo contínuo de melhoramentos genéticos, onde os exemplares atingiram uma grande perfeição.
É uma planta que tem grandes predicados para hibridação, apresentando nas variedades flamea e aquini um atrativo muito especial, que é o fato das pétalas possuírem em suas extremidades um intenso colorido, atributo esse que é passado aos seus descendentes.
Cattleya intermedia alba

Caso do resultado do cruzamento da Cattleya intermedia com a Cattleya pão de açucar: 
 A Cattleya Di pozzi tiziano que estão nas fotos ao lado.
Ao longo desses milhares de cruzamentos, suas flores se tornaram maiores, com melhor textura, mais redondas e de cores bem vibrantes. Ainda sobre a qualidade das flores ganha destaque a precocidade, já que alguns seedlings emitem flores em três a quatro anos. Isso, aliado ao fácil cultivo, faz com que tenha grande aceitação em diferentes países, em especial no Japão, para onde é muito exportada.
Cattleya intermedia albescens punctata

A Cattleya intermedia quando bem adubada emite de dois a três pseudobulbos por ano, formando touceiras e para garantir seu pleno desenvolvimento e florir, é preciso dar atenção à rega, fornecendo água sempre que o substrato secar, e à luminosidade, mantendo sombreamento máximo de 70%. Também é necessário assegurar umidade ambiente acima de 60%. Assim como todas as Cattleya bifoliadas, a Cattleya intermedia aprecia raízes bem arejadas, substrato poroso e boa adubação. A espécie não suporta substrato velho e substrato que apresentou mais eficiência, foi a mistura de casca de pinus tratada, carvão e brita. Uma dica importante para quem cultiva orquídea é desenvolver a observação, pois cada caso é diferente, não existindo uma receita exata para o sucesso.






Enviar um comentário