sexta-feira, 22 de maio de 2015

Cattleya Velutina- Uma cattleya bifoliada encantadora de flores que parecem de veludo!!

A Cattleya Velutina é uma planta do grupo das bifoliadas e é nativa do Brasil, mas infelizmente no habitat original não é mais encontrada devido a coleta indiscriminada e as variações climáticas decorrentes de desmatamento feito pelo homem. A espécie vegeta em habitats desde a Bahia descendo pelo Espírito Santo passando pelo Rio de Janeiro e São Paulo, indo até o sul do país. As plantas que existem ainda são de colecionadores e orquidários profissionais e estão hoje sendo cultivadas e propagadas em vitro feita em laboratórios próprios para esse fim  e aclimatadas ao cultivo domestico. É um trabalho muito importante, pois preserva o DNA da espécie e aumenta a população de plantas. A questão da extinção de uma orquídea não chega a ser tão grave quanto a de um animal, pois de uma única flor é possível  germinar milhares de novas plantas salvando a espécie, mas é sempre algo a se pensar, pois vivemos no mesmo planeta e tudo tem a devida importância e função.
Por ser uma Cattleya bifoliada, também possuem pseudobulbos finos, em forma de cana, mas de porte médio entre 25 a 40 cm de altura, com duas ou três folhas coriáceas.
 É uma planta que prefere clima tropical, com temperaturas mais amenas durante a noite. Durante o dia vegeta com luz intensa mas sem o sol direto.  A floração pode ocorrer desde dezembro, com pico em março, final do verão. 
A Cattleya Velutina emite de uma a quatro flores, ou até mais, mas o mais comum são duas flores de substancia cerosa, aveludada, de perfume intenso e muito duráveis.


As cores  das pétalas e sépalas é bronze com pintas marrons.  O labelo branco amarelado com estrias violeta forte ea garganta amarelo ovo.
Suas flores são extremamente belas encantando os olhares e fazendo sucesso em exposições. Seu cultivo é relativamente fácil se o clima for favorável.
Alguns dizem que o lábio é lindamente acentuado com as suas linhas magenta levando a uma mancha amarela brilhante para servir como uma pista de pouso demarcada para a polinização de abelhas, mas quem sabe o que as abelhas pensam...?



















Enviar um comentário