terça-feira, 18 de agosto de 2015

ORQUÍDEAS TERRESTRES- SURPREENDENTE DIVERSIDADE E UM CULTIVO DIFERENCIADO

Paphiopedilum insigne
Como a natureza é generosa e abundante não poderia faltar as orquídeas de hábitos terrestres e como sempre a quantidades de espécies surpreende com formas, cores, e variados climas espalhados pelo Brasil e pelo mundo. Se adaptam a substratos para epifitas, mas é necessário se informar sobre as necessidades de cada espécie.


Paphiopedilum lowii var. richardianum
É fácil ter uma coleção de orquídeas terrestres, é só apostar em um cultivo diferenciado especialmente para elas. Para isso é essencial procurar saber todas as informação sobre as características do habitat da espécie que pretende adquirir e procurar oferecer condições semelhantes para ela em sua casa!


Spathoglottis kimballiana
É importante observar bem os detalhes da planta. Se ela possui bulbos, se eles perdem as folhas ou não e se eles rebrotam. Se as raízes se aprofundam ou não no solo,  e qual substrato preferem, se mais acido ou não, se mais seco ou mais úmido. Procurar saber qual a luz necessária para floração e boa saúde da espécie. 
As especies de orquídeas terrestres podem ser subdivididas em grupos de acordo com as características do lugar onde vivem. Podem ser de lugares secos e bem iluminados, úmidos e sombreados, rochosos e extremamente secos durante o dia , mais úmido e frio a noite, e também
Spathoglottis unguiculata
lugares onde podem permanecer meses encharcados na época da cheia dos rios.
Em geral caso não se conheça a origem da planta as espécies terrestres podem ser mais difíceis de lidar do que as orquídeas epífitas. 
Existem uma grande parte de espécies de orquídeas terrestres que ainda não aparecem nas coleções dos orquidófilos.
 Por isso o grupo das orquídeas terrestres sofre com o aumento do risco de extinção, não apenas pelo baixo interesse comercial dos produtores, mas também pela dificuldade de cultivo de algumas espécies que são de habitats específicos. Alem disso, devido as mudanças climáticas , o desmatamento e as queimadas esse risco pode aumentar. 
Elleanthus amesthytinus

Existem espécies terrestres em vários grupos onde a maioria dos indivíduos é de plantas epífitas, como exemplo o Oncidium hydrophyllum, e a Vanda teres, mas existem também grupos de espécies de orquídeas onde a maioria ou todos as plantas são terrestres, ou totalmente terrestres.
As espécies mais conhecidas e cultivadas são: 
Arundina, Sobralia, Phaius, Phapiopedilum, Phragmipedium, Cymbidium, Epidendrum, Spathoglottis, Bletia, Neobenthamia, Vanilla, entre outras. Veja as fotos de algumas espécies abaixo:
Ophys epirotica
Paphiopedilum 

Neobenthamia Gracilis
Zygopetalum triste
Vanda teres



                             BOM CULTIVO A TODOS!!!



domingo, 2 de agosto de 2015

ONCIDIUM- PEQUENAS E PERFUMADAS DAS AMERICAS

Oncidium Sweet sugar
Este é um gênero que me encanta, pois suas flores são em grande quantidade na maioria das espécies, de tamanhos variados, enchendo os olhos de quem observa com cores quentes e iluminadas!
Oncidium flexuosum
A cor das flores das espécies de  Oncidium remetem a um amarelo intenso e se estende praticamente por todos os seus representantes, mas existem também espécies de flores róseas, brancas, verdes, alaranjados e castanhas, alem de variações de amarelo mesclado com marrom de vários tons.
O gênero foi definido em meados de 1800 pelo botânico sueco Olof Swartz. O Oncidium é uma orquídea das Américas e com uma variação de espécies que pode chegar a mais de Mil, distribuído desde a América Andina, alguns locais do Estados Unidos, também no México e chegando até o final da América do sul, passando pelo Brasil, onde vegetam muitas espécies.
Oncidium varicosum albo
 No Brasil o Oncidium vegeta em maior quantidade na mata atlântica, no Rio de Janeiro e Espírito Santo, mas também é encontrado em muitos outros estados, pois seu modo de vegetar mais espalhado que outras espécies ajuda na propagação. 
Além disso a espécie Oncidium também possui exemplares com hábitos epífitas, rupícolas e terrestres, vegetando em uma faixa climática ampla o que facilita muito a sua ocupação nos habitats de mata atlântica, altitude e de cerrado que são bastante encontrados aqui no Brasil embora o desmatamento tenha diminuído esse espaço ao longo dos anos. 
Oncidium varicosum var. Baldin
No Brasil acredita-se haver mais de cento e vinte espécies, muitas ainda não catalogadas e ainda em estudo. Isto porque no começo o gênero Oncidium por ser  muito variável, era a escolha perfeita para botânicos incluírem espécies recém descobertas sobre as quais não estavam muito seguros da classificação. 
Assim como diversos outros grandes e antigos gêneros de orquídeas o gênero Oncidium ficou grande e mal definido. As espécies Maxillaria, Pleurothallis, Masdevallia, Bulbophyllum e Dendrobium inflaram como o Oncidium até conterem mais de mil espécies, algumas chegaram a mais de duas mil, subdivididos em dezenas de subgêneros e *alliances muitas vezes também mal definidos.
 *Alliance(nome escolhido por autores que informalmente agrupam espécies em conjuntos sem que descrevam esses grupos segundos as normas botânicas de publicação).


A principal característica deste gênero é a presença de um calo situado na base do labelo da flor, e que dá origem ao nome da espécie. 
O cultivo de oncidium é relativamente fácil, desde que se conheça sua forma de vegetar nos habitats e por isso não existe uma regra padrão para todas as espécies. O ideal é sempre sabendo o nome da espécie, pesquisar sobre seu habitat e tentar imitar o cultivo para se obter mais sucesso.
A espécie Oncidium na sua maioria prefere umidade alta no fim do dia até o amanhecer, mas vegeta durante o dia com temperatura elevada e tempo mais seco, se adaptando a uma alternância de secura e umidade. 
No habitat existem nevoas noturnas que propiciam hidratação a espécie.
Oncidium Sharry Baby
O detalhe que as vezes atrapalha o cultivo em vaso é que a espécie tem raízes finas e fáceis de apodrecer se forem abafadas com substrato úmido. Prefira cultivar a espécie com raízes expostas ou com substrato bem poroso e ventilado. 
  O que dá mais certo é cultivar Oncidium em placas de madeira, ou galhos de arvore, mas certifique-se que a madeira é compatível, pois algumas contem excesso de substancias que queimam as raízes.As espécies hibridas aceitam melhor o cultivo em vaso do que as espécies naturais.
 Para imitar a umidade que a espécie tem no habitat, prefira vaporizar água sempre no final do dia e de manhã bem cedo, pois assim se pode imitar a nevoa úmida que a especie aprecia, alternando noites úmidas e dias secos!
Oncidium kunine
BOM CULTIVO!!!