terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

CATTLEYA WARNERII- A GRANDE MATRIARCA.

Cattleya warnerii coerulea- Umidade para as
raizes no fim do dia para se recuperar do dia
ensolarado. As plantas adquiridas em produtores
  tem maior qualidade na armação ecoloração,
alem do tamanho maior de petalas e sepalas.
 Essa Cattleya Brasileira não tem uma historia tão misteriosa  como a da Cattleya labiata, que ficou com sua localização verdadeira oculta por decadas.  Mas em termos de beleza é praticamente igual!  
A Cattleya warnerii e a Cattleya labiata tem o mesmo porte vegetativo e flores que se confundem entre os olhares menos experientes, mas algumas particularidades distinguem as duas:
* O padrão de enraizamento das espécies é uma delas. A Cattleya warnerii enraiza o pseudobulbo apos a floração e a sua irmã, a Cattleya labiata enraiza o pseudobulbo antes da floração. 
*Quando florida a Cattleya warnerii apresenta bainhas na cor preta(a palha que envolve o bulbo) e suas folhas se assemelham a colheres, por serem concavas e alongadas. 
*Na base os pseudobulbos a Cattleya warnerii afina bruscamente facilitando sua identificação entre as Cattleyas monofoliadas.
* Seu perfume é único e agradável


Cattleya warnerii tipo - cultivo Mauro Rosim
Esta bela especie de Cattleya é uma das principais Cattleyas monofoliadas da nossa flora Brasileira e que deram origem a milhares de híbridos desde o seculo 19. É uma das grandes matriarcas nos cruzamentos devido ao tamanho de suas flores, seu perfume e a grande facilidade de cultivo se mantida uma boa umidade no ambiente. Era e é ainda encontrada nos estados do Espirito Santo e Minas Gerais e também em parte do Rio de janeiro e da Bahia.  Infelizmente em alguns desses locais talvez não exista mais especimes, pois entrou para a lista das plantas em risco de extinção. Por anos e anos alvo de coleta indiscriminada devido a beleza de suas flores. Desde os seculos 18 e 19 era pratica comum coletores viajarem o mundo atrás de "tesouros", aportando em florestas pelo mundo afora e retirando da natureza desde insetos, pedras preciosas, animais, sementes de arvores e plantas ornamentais como as orquídeas. As orquídeas eram coletadas aos milhares e levadas a Europa onde eram leiloadas.

Muita coisa se perdia ou nem embarcava, pois morria no porto esperando para ser carregado.


Cattleya warnerii concolor- Nessa cor o labelo não se destaca, 
exceto pelo amarelo no alto.

Aqui no Brasil na época da colonização a Cattleya warnerii era comumente usada para ornamentar as residencias dos povos estrangeiros sobretudo alemães e italianos que ocuparam terras dentro do seu habitat. Adiante no tempo vieram pessoas de fora e até estrangeiros que se interessavam pelo cultivo de orquídeas e a cattleya warnerii passou a ser procurada por proprietários de floriculturas, colecionadores adquirindo um maior valor comercial e entrando para o grupos das espécies de orquídeas com melhoramento genético e hibridações.
 Por ser uma Cattleya que possui flores de grande tamanho, até 23 cm de diametro, seus cruzamentos acabam ganhando maior tamanho nas flores. Alem disso existem exemplares com ótima estrutura, coloração e perfume muito agradável que também são atributos passados nos cruzamentos feitos com a Cattleya warnerii. Atualmente existem plantas de grande qualidade que puderam ser clonadas e disponibilizadas aos colecionadores nos orquidários aqui do Brasil. É uma espécie muito resistente tornando fácil seu cultivo, agradando a iniciantes e orquidófilos mais experientes, diminuindo cada vez mais o risco de desaparecimento dela na natureza pois a pratica de multiplicação dela evita que exemplares saiam da natureza.
As plantas encontradas a venda possuem
excelente qualidade. Um exemplo disso é esse
exemplar de cor coerulea que 
consegue 
carregar e manter a floração farta.
A vantagem de se adquirir plantas produzidas in vitro é a possibilidade de possuir plantas com um DNA bem melhor do que as que existem na natureza. São plantas mais adaptadas ao cultivo domestico e de floração superior em tamanho das petalas e sepalas, armação, cor, perfume e quantidade de flores. A minha Cattleya warnerii Coerulea por exemplo costuma emitir 3 ou 4 flores por bulbo, e isso não é só adubação, também é o melhoramento genético das plantas advindas dos orquidários profissionais.
A Cattleya warnerii é uma plantas que costuma vegetar em altitudes baixas, 100, 200 metros não passando muito dos 800 metros em meio natural. Os locais onde ficam contam com boa luminosidade e alto teor de umidade ambiente. As variações são de 15 milímetros de chuva nos meses secos até 350 milímetros nos meses mais chuvosos. As temperaturas no habitat variam de 10, 15 graus até mais de 30 graus no verão e em partes do inverno. 
A floração da Cattleya warnerii acontece no começo da primavera, a partir de outubro, logo depois de suportar as variações de temperatura e a queda na umidade do ambiente durante o inverno. É uma gigante em termos de resistência. Seus pseudobulbos podem atingir  30cm, podendo ultrapassar isso em exemplares encontrados em ambientes mais úmidos aparecendo plantas de grande porte. 
Este exemplar coerulea se preparando para
florir. Emite até 4 flores por
 pseudobulbo. Cultivo facil quando se imita
o habitat com umidade alta.
 A unica folha do pseudobulbo é ovalada, mais comprida do que larga, com tamanho maior que os pseudobulbos conforme a intensidade de luz que recebe. De raízes grossas essa cattleya genuinamente epífita tambem pode ter comportamento de rupícola vegetando em cima de pedras. Vegeta no sistema CAM, mesmo dos cactos onde de dia a planta mantem suas aberturas nas folhas(estomatos) fechadas e a noite aproveita as chuvas e cerrações no habitat para se hidratar. 
Em casa eu cultivo a Cattleya warnerii como outras Cattleyas de raízes grossas e habito epífita, mantendo seus" pés molhados a noite", isto é imitando a natureza com a umidade noturna que é encontrada no habitat. Uso vaso de barro baixo, e substrato duro(pedaço de casca de peroba e carvão vegetal).
 As flores da Cattleya warnerii apresentam-se em variadas cores: Tipo, coerulea, alba, semi-alba, rubra, concolor entre outras mais raras por existirem em menor quantidade: Venosa, albecens, coerulencens, amesiana, amena, suavissima e flamea. A cor tipo apresenta um padrão uniforme onde as pétalas e sépalas são lilases desde o tom mais claro(suavissima) até mais escuro(rubra).


Cattleya warnerii tipo- cultivo Mauro Rosim
O labelo é lilas, mas com uma quantidade maior de cores. Possui uma mancha triangular na parte central interna em tom de lilas mais escuro e diferenciado e a medida que se aproxima da borda os tons de lilas vão ficando mais claros podendo chegar a ser branco sem que a flor deixe de ser tipo. Aproximando-se da inserção do labelo com a flor aparece o amarelo que sobe pelo tubo polínico indo dos tons limão ao amarronado geralmente se misturando ao lilas, que forma de riscos dentro do amarelo causando um grande contraste das cores.
 Para um inseto que tem uma visão diferenciada da nossa, acrescentado da ação da luz do sol sobre as cores, é como se a flor virasse um luminoso em neon que chama muito a atenção no meio do verde e marrom da floresta. Para nos apaixonados pela espécie é encantador essa mistura de cores do labelo da Cattleya warnerii. 
A espécie ainda possui algumas particularidades de cultivo e para quem quiser possuir esta bela planta em sua coleção fica ai as dicas:

 *Passa um longo período em estado latente(dormência) até a floração (Não adianta ficar preocupado e ansioso se isso acontecer).
*Possui espata floral simples, onde a interna nunca ultrapassa a externa.

*Cattleya de flores grandes podendo chegar a 23 centímetros de diâmetro, muito usada em hibridações por isso e pelo perfume marcante.

* A folha que é coriácea faz um pequeno angulo com o pseudobulbo.

 *Influencia muito grande do ambiente no cultivo da Cattleya warnerii. Muita luminosidade pode modificar a estrutura da planta diminuindo o tamanho dos bulbos com as folhas mais arredondadas. A umidade atua da mesma forma, se é precária a planta desidrata e fica suscetível a ataques de pragas e doenças.
 *os carotenoides( moléculas que dão cor as flores) nunca aparecem nas plantas de flores albas, nem nas folhas e nem nas raízes. Inclusive por causa deles as flores de cor tipo e coloridas tem maior tolerância a luz do que as plantas albinas, porque estas moléculas envolvem e protegem a clorofila do excesso de luz.

 *Apos a floração a Cattleya warnerii começa a emitir raízes novas e essa é a melhor hora de dividi-la. Para isso conte pelo menos 4 bulbos para formar uma nova muda e florir normalmente. Sempre se lembre de deixar a planta firme no vaso sob risco de ela parar de crescer e ter dificuldades de vegetar.

                          BOM CULTIVO A TODOS!!

Enviar um comentário